sexta-feira, 17 de outubro de 2014

CEJA PROMOVENDO A INCLUSÃO NAS AULAS DE INGLÊS

Atualmente, com a popularização dos livros sonoros e da informática, enfim, dos recursos de tecnologia assistiva para pessoas cegas, o Braille vem sendo deixado, de certa forma, em segundo plano. Todavia, nada poderá ou deverá substituí-lo como sistema base da educação dos não videntes, pois, como sabemos, a falta de leitura direta refletir-se-á na escrita, que consequentemente será deficiente, no tocante ao Braille, e desarranjada, quanto à ortografia.

Na última terça-feira (14/10), com objetivo de realizarmos uma aula de língua estrangeira inclusiva, apresentamos, às turmas do Ensino Médio, do CEJA Professor Alfredo Simonetti, o Sistema Braille e o seu inventor através de um texto em inglês, que foi lido, interpretado e compreendido pelos alunos.

A seguir, distribuímos um exercício simples que pedia para os mesmos escreverem seus nomes e uma frase em inglês (extraída do texto em questão) utilizando o Sistema Braille cujo alfabeto podia ser consultado no início do exercício. 

Também apresentamos, à turma, um kit com o suporte manual para a escrita Braille: uma prancheta de madeira com uma reglete de metal e um punção. Além destes instrumentos, compunham o referido kit, um guia para escrita cursiva e um sorobã (instrumento utilizado para trabalhar cálculos e operações matemáticas – uma espécie de ábaco).

A aula foi bastante participativa e a atividade inclusiva realizada até mesmo por duas crianças, filhas e acompanhantes de uma das nossas alunas.

Texto trabalhado, kit com o suporte manual para a escrita Braille: uma prancheta de madeira com uma reglete de metal e um punção. Além destes instrumentos, compõem o referido kit, um guia para escrita cursiva e um sorobã (instrumento utilizado para trabalhar cálculos e operações matemáticas – uma espécie de ábaco).

Alunos concluindo cópia do texto "The Braille System".

              Professora Josselene Marques apresentando os instrumentos correspondentes
                            a um caderno e um lápis (prancheta/reglete e punção),
                                      utilizados na escrita dos não videntes.

Alunos concentrados na realização (prazerosa) do exercício.

Exercício realizado, inclusive, por duas crianças presentes em sala de aula.

Exercício realizado, inclusive, por duas crianças presentes em sala de aula.

                    Concentração, interesse e participação...

                    Concentração, interesse e participação...

                 Concentração, interesse e participação...

               Concentração, interesse e participação...

                Concentração, interesse e participação...

             Concentração, interesse e participação...

                  Concentração, interesse e participação...

                Concentração, interesse e participação...

Multiplicando o conhecimento... Aluna demonstrando a escrita em Braille para sua filha.

                             Manuseio do sorobã.

Exercício proposto e realizado.

O alfabeto do Sistema Braille

NOTA DO BLOG DO CEJA: Texto e fotos da profª Josselene Marques.

Nenhum comentário: