quarta-feira, 5 de junho de 2013

CENTENÁRIO DE VINÍCIUS DE MORAES

 
Prof ª Vera Freitas -  a idealizadora e coordenadora deste projeto
Nesta quarta-feira (05/06/2013), o CEJA Professor Alfredo Simonetti foi palco para a culminância do projeto “Contando, cantando e encantando com Vinícius” em tributo ao poeta, compositor, jornalista e diplomata Vinícius de Moraes, pela passagem do centenário de seu nascimento (19/10/1913 – 19/10/2013). Idealizado e coordenado pela professora Vera Freitas, contou com a participação maciça tanto dos nossos alunos jovens e adultos quanto de seus colegas professores, além do indispensável apoio da equipe gestora. 

Projeto idealizado pela professora Vera Freitas
Gestor Nerenilson Nunes ao lado dos alunos apresentadores do evento
Jovens e adultos dos esinos médio e fundamental prestigiando o evento

Tivemos um dia inteiro de apresentações. O Grupo ECOARTE fez a abertura com o seu instrumental. Em seguida, dramatizações, corais cantando versões de sucessos musicais de Vinícius em inglês e espanhol, danças e recitações de poemas – algumas belas vozes e performances, entre os alunos, durante as interpretações das canções do “poetinha” (forma carinhosa de chamar Vinícius de Moraes e apelido atribuído por Tom Jobim), surpreenderam e encantaram os presentes. A história de Vinícius de Moraes foi originalmente contada e intercalada pelas apresentações – uma forma por demais agradável de ensinar e aprender. Abaixo, uma amostra do conteúdo ministrado através da leitura bem-humorada dos apresentadores: “Vinícius de Moraes foi muitos. Tivesse sido um só, seria apenas Vinícius de Moral. Foi poeta, diplomata, letrista e pedra filosofal da Bossa Nova, crítico de cinema, cidadão do mundo. E trágico, transcendental, cínico, divertidíssimo, boêmio e apaixonado por multidões de mulheres, inclusive as feinhas, para quem pedia afeto e piedade. [...]” 

Criatividade na dramatização dos alunos concluintes
Fábio e Jhennify revelando suas habilidades artísticas
Momento de oração e solidariedade (todos rezando pela  recuperação
de Lucas Emmanuel - sobrinho da prof ª Josselene Marques).

Homenagem à prof ª Lúcia Câmara
Professores encerrando o evento
Vinicius chegou ao mundo em 19 de outubro de 1913, no Rio de Janeiro, onde passou maior parte de sua vida. Morreu em 1980, aos 66 anos, não como o maior poeta brasileiro – que não foi – mas como o mais amado. Ah, Vinícius... amou e foi muito amado – casou nove vezes! Ele viveu de paixões. Quando uma paixão tomava de conta dele, ele era inigualável. Vivia intensamente suas paixões. [...] Em 1979, voltando de uma viagem à Europa, sofre um derrame cerebral no avião. Em 17 de abril de 1980, é operado para instalação de um dreno cerebral. Morreu na manhã de 9 de julho de 1980 de edema pulmonar, na sua casa, na Gávea, em companhia de Toquinho e de sua última mulher.

[...] Mas... onde estaria Vinicius hoje? Hoje não há lugar para a sua generosidade, para a sua ingenuidade, para a sua extravagância, para a sua liberdade de agir de acordo com suas vontades, para o seu comportamento informal. Talvez ele não pudesse realmente estar vivo hoje, ser hoje o Vinicius que ele foi. Onde ele estaria nesse país e nesse mundo que a gente vive? Vinicius ajudou (e ajuda!) as pessoas a viverem. Com uísque (que ele adorava!) chope, caipirinha, refrigerante ou água, 23 anos depois de sua morte, ele ainda entoa paixões.

Para saber mais, por gentileza acesse: http://www.viniciusdemoraes.com.br/site/rubrique.php3?id_rubrique=9.

Parabéns para todos nós que fazemos o CEJA!

Nenhum comentário: